quinta-feira, 28 de julho de 2011

mal secreto (versão Gal)

 





Massacro meu medo, mascaro minha dor, já sei sofrer. Não preciso de gente que me oriente, se você me pregunta, como vai? respondo sempre igual, tudo legal mas quando você vai embora movo meu rosto do espelho, minha alma chora. Comovo, não salvo, não mudo. Meu sujo olho vermelho, não fico parado, não fico calado, não fico quieto. Corro, choro, converso e tudo mais jogo num verso.

(Jards Macalé)

Nenhum comentário:

Postar um comentário